Rua Antônio Lacerda, 502 - Centro - Pompéu / MG

Produção de leite de búfala cresce com recuperação do setor no interior de São Paulo

A região de Itapetininga (SP) é a maior produtora de leite de búfala no Estado de São Paulo com quase 7 milhões de litros por ano, de acordo com a Associação Brasileira dos Criadores de Búfalos. O produto é feito em Alambari (SP), Sarapuí (SP) e Pilar do Sul (SP) e vendido para laticínios paulistas. O mercado tem crescido, já que pequenos produtores têm investido na produção familiar.

O preço do litro varia entre R$ 1,60 e R$ 1,80. De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o leite de búfala tem 13% mais proteína, 58% mais cálcio e 47% mais fósforo que o leite bovino, além de menos colesterol. A búfala também é mais resistente a doenças do que uma vaca e por ter menos contato com medicamentos produz leite mais saudável e sem toxinas.

De acordo com Antônio Ramos Filho, criador e produtor, ele já vendeu animais para vários produtores no início do ano. Todo leite ordenhado na propriedade dele é depositado neste resfriador. Este tem capacidade para 570 litros. A tampa ajuda a evitar a contaminação e vazamento.

Em outra propriedade, os tanques são ainda maiores, sendo quatro com capacidade para armazenar 12 mil litros de puro leite de búfala. Além de produtor, Caio Rossato também compra o leite de 32 fornecedores da região e vende para os laticínios.

O leite, no período que permanece armazenado, passa por testes de qualidade para verificar a acidez, a quantidade de gordura, a proteína e se há resíduos de antibiótico. Um novo teste também passou a ser feito nos últimos meses para saber se há mistura com leite bovino.

O leite de búfala também pode ser usado para produzir os derivados, como o queijo muçarela, coalhada, além de iogurte e sorvete. A carne do búfalo completa a refeição: costela, lagarto e picanha.

Fonte: Milknet.