Laços de Sangue e Terra

Valdete Isabel Maciel Garcia, 75 anos

postado em 15 / 9 / 2020 | atualizado em 15 / 9 / 2020

     Uma família enraizada na força da fazendeira Valdete Isabel Maciel Garcia, 75 anos. A fazenda Pedro Moreira é mais que uma fonte de renda. É um laço emocional em família. O fundador da propriedade, Carlos Garcia de Campos Cordeiro, falecido em 2018, pediu para a esposa que mantivesse o negócio em atividade após sua partida. “Por causa do leite, fonte de renda da família”, explica a viúva. Após a morte do patriarca, o filho Gilbert assumiu as rédeas da produção leiteira ao lado da mãe. Entretanto, poucos meses depois perder o pai, o jovem perdeu a vida em um acidente. Mais uma imensa dificuldade que Valdete precisou superar. “Foram perdas muito próximas. Eu amava meu marido e meu filho era minha grande paixão”, desabafa. “Busquei forças em Deus e em Nossa Senhora para seguir em frente”, acrescenta.
     Com a ajuda dos outros filhos e agora dos netos, Valdete acompanha com olhos atentos a produção diária de 2.500 litros de leite e uma lavoura de aproximadamente 60 hectares (pivô central), a rotina de cuidados com o rebanho, o cotidiano doméstico e a vida familiar. “Quando nos casamos, viemos morar aqui. Na época, meu marido e os irmãos Lucas, Davi e Mateus (os quatro fundaram a propriedade), cuidavam de tudo”,relembra Valdete. Após as traumáticas perdas, a matriarca teve suas energias renovadas na competência dos netos e na dedicação dos funcionários. “O Juninho, meu neto, me ajuda e tenho uma equipe muito boa”, reconhece.
     Juninho é o apelido de José Alípio de Oliveira Campos Júnior, 25 anos. O técnico agrícola dedica o seu conhecimento para cuidar da fazenda junto com a avó. “Saio de casa às 4h50 da manhã e fico o dia todo na propriedade, acompanho tudo. Só vou à cidade quando precisamos fazer alguma atividade relacionada à fazenda”, conta o rapaz que se dedica aos negócios da família desde muito jovem. “Quando eu era criança, vinha para cá todo fim de semana e quando cresci, a fazenda tornou--se o meu trabalho”, relata o técnico agrícola.
     O terreno tem cerca de mil hectares e abriga 150 vacas em lactação. Valdete também tem um rebanho de corte. A fazendeira tem mais uma filha, Geovana Geralda Maciel Garcia, mãe de Leandro e Leonardo, seus outros netos. Os três moram na cidade. Ela ainda conta com a ajuda de Rafael, filho de Gilbert e da viúva do filho. “Minha vida seria muito difícil sem a fazenda porque já perdi meu marido e meu filho e a minha filha mora na cidade com os filhos”.
     A maioria dos insumos utilizados na fazenda são adquiridosna Coopel: adubo, fungicida e semente, por exemplo. “É uma lavoura que exige muita responsabilidade e dedicação. Venho para cá às 9h da manhã e já aconteceu de eu ficar aqui até 1h da manhã”, conta Ronan Amaral, funcionário da fazenda há quatro anos. “Gosto muito da pontualidade da Coopel e os produtos para plantio são muito bons”, elogia o funcionário. Valdete possui contrato de insumos fechado com a cooperativa, o qual garante preço fixo e maior controle em seus planejamentos. Dessa forma, a produtora consegue otimizar seus custos e realizar outros investimentos em sua propriedade. “Temos tudo à disposição na Coopel, os profissionais nos atendem super bem. Sempre recomendo a cooperativa. Estou aqui porque a Coopel
e Sicoob Credipeu acreditaram em mim. Espero que todos da equipe sejam muito felizes”, deseja Valdete. 
     Os administradores da propriedade estão fazendo um investimento numa represa. “Se der certo, vamos colher até trêssafras por ano”, frisa Ronan. Além de plantar soja, Valdete deseja comprar mais cabeças de gado para reprodução.


veja também

Aliados aos valores Coopel

15 de Novembro 2020

          Em 17 anos de dedicação à Coopel, Leonardo Cordeiro de Oliveira, 39 anos, testemunhou o crescimento da Cooperativa e conheceu profundamente vários setores. “Minha história na Coopel começou no posto de combustível, onde fiquei por sete anos. Também tive a oportunidade uma no supermercado e lá aprendi a trabalhar como operador caixa, repositor de mercadorias e trabalhei na padaria logo após sua inauguração. Após todas essas experiências, retornei para a loja de material de construção”.
          Ao falar da Coopel, Leonardo afirma que a empresa “mudou e continua mudando”. “A Cooperativa tem um propósito muito fundamental que é trabalhar na pluralidade. Isso é muito importante para colaboradores, associados e clientes no dia a dia porque são agentes que fazem parte de uma história de grandes conquistas”.
          Para o colaborador a grande virtude institucional da Coopel é acreditar no potencial das pessoas. “A Coopel dá uma sustentabilidade e uma grande proposta de trabalho e empreendedorismo para os funcionários que trocam ideias e opiniões. Isso é muito importante para que todos cresçam juntos”. Leonardo destaca os convênios firmados pela Coopel para que os colaboradores tenham formação profissional de qualidade em grandes instituições de ensino. “A Coopel disponibiliza bolsas de estudo e constantemente participamos de treinamentos específicos”. “Aqui todos nós aprendemos que temos valor e que nosso trabalho vale a pena”, reforça Leonardo.
          Além disso, outro grande patrimônio da Cooperativa, segundo o colaborador, é a reputação da Cooperativa, o que a faz ser uma grande referência em Pompéu e região. “Espero que nos próximos 17 anos a Cooperativa cresça cada vez mais e nunca desista dos seus objetivos. A Coopel trilha um caminho para ser a melhor empresa que temos na região”, acredita.

          Fora do ambiente de trabalho, Leonardo gosta da companhia da família. Ele é casado com Ivanilda Vilaça e tem dois filhos, Davi Emanuel e Joyce Lisboa. O colaborador gosta muito de música sertaneja e nas horas vagas gosta de treinar suas habilidades no violão. “Gosto de estar ao lado da família e amigos, jogar bola e torcer para o Cruzeiro”, revela.
          Para finalizar, Leonardo faz questão de agradecer à Coopel e às pessoas que estiveram com ele nessa jornada. “Agradeço a todos que me ajudaram até aqui. Coopel, parabéns pelo empenho e trabalho junto aos colaboradores, associados e clientes. Eu testemunho o sucesso dessa empresa todos os dias aqui no galpão”

SUSTENTABILIDADE EM FAMÍLIA

15 de Novembro 2020

          Grande referência na produção de gado de corte, a Fazenda Capão do Lobo é um destaque e um orgulho regional por uma atuação de vanguarda e franco crescimento. Tanto sucesso se deve à força administrativa do empresário Eduardo Ferreira dos Santos, 50 anos. Dono de quatro propriedades que produzem eucalipto, ele ainda administra outras seis áreas alugadas que abrigam gado de corte.
          Eduardo recorda seu início no agronegócio por influência o pai, o comerciante Zé Branco. “Meu pai gostava muito de fazenda. Ele morreu em 1995. Herdei 22 hectares dele, fiquei parado e depois comecei a tirar leite (que não era minha área). Depois fui plantar eucalipto e há quatro anos comecei a confinar o gado. Foi aí que minha atividade no agronegócio cresceu”, relata.
          Eduardo também é dono da rede de supermercados Kibocada e parte da carne comercializada nos estabelecimentos vem de suas propriedades. “Queremos abastecer o supermercado em 2021 com, no mínimo, 60% de produção própria”, revela o empresário. Para alcançar a meta, ele conta com a assistência técnica da Coopel. “Quase todos os serviços são da Cooperativa, principalmente insumos e sais minerais. Temos também a assistência agrícola com o Geraldo Roberto, engenheiro agrônomo, que nos ajuda no plantio, e do César Afonso, zootecnista, que nos ajuda nas dietas. Pessoal novo, muito competente, bons de serviço e com vontade de trabalhar”, exalta. “Temos aprendido muito com a cooperativa. Está sendo gratificante para o nosso comércio”, comemora. “A turma da Cooperativa me atende muito bem. Se não fosse essa parceira, eu não estaria dando conta de dar sequência ao confinamento porque entendo de supermercado. Estou bem assessorado pela Coopel, pelos meus funcionários e amigos”, reconhece.
          Atualmente o empresário confina 750 animais. “No ano que vem queremos produzir 150 animais por área de confinamento e nas águas. O objetivo é reunir 900 cabeças em regime de pasto e outras 900 cabeças em área de confinamento num total de 1800 animais”. César Afonso, zootecnista da Coopel, explica a estratégia para que o produtor alcance seu objetivo. “Vamosfazer o planejamento mais correto e assertivo para ter o maior confinamento da cidade com 1800 bois que vão abastecer toda a rede de supermercado Kibocada”, conta. A rede está em franca expansão e está prestes a abrir mais uma loja em Pompéu, Martinho Campos e Felixlândia e outras lojas para 2021.
          Eduardo conta com suporte do agrônomo da Coopel, Geraldo, que o orienta no plantio. “Vamos reformar 35 hectares de uma propriedade da minha mãe”, conta Eduardo. Além disso, o fazendeiro vai tentar produzir o próprio silo. “Nosso projeto em 2021 é fazer uma cobertura na parte do confinamento para produzir em períodos de chuva, como dezembro, porque o comprador quer uma carne com mais gordura e às vezes não a tem de pasto. E os meses de junho e julho que não tem o gado gordo de confinamento porque o animal de pasto já acabou”. Neste ano Eduardo ainda investiu em maquinário, vagão misturador e carretas que facilitaram o manejo.
          “Eduardo é um grande parceiro da Coopel. Grande empresário e profissional que sabe o que quer e onde quer chegar. Nossa parceria é na assistência técnica, onde fazemos o acompanhamento do manejo, a formulação, o mix e planejamento para os próximos anos. Junto com Geraldo temos desenvolvido o projeto 2021 para deixar o supermercado Kibocada sustentável em carne, sem depender de terceiros”, finaliza César.
          Eduardo é casado com Alessandra e o casal tem dois filhos: Maria Eduarda, filha, 8 anos, e Pedro Henrique, 6 anos.

TALENTO PURO

15 de Outubro 2020

          A aptidão para as vendas e para o marketing é uma característica muito forte da colaboradora Maria Angélica Dias Souza. A pompeana trabalha há cinco anos na Coopel Modas como vendedora. “Gosto muito de lidar com o público”, confirma a jovem. Ao lado das colegas, Maria Angélica compõe uma equipe carismática e eficiente mesmo nos momentos mais difíceis. “Acredito que dei certo na Coopel por eu ser uma pessoa amiga e alegre, que integra uma equipe muito unida”, declara.
          Recentemente seu talento foi colocado à prova durante o período mais rígido de isolamento social imposto à cidade de Pompéu para evitar os efeitos trágicos da pandemia do coronavírus. “Sugeri à nossa gerente, a Ana Paula, que a equipe estivesse presencialmente na loja mesmo com as portas fechadas”, relembra. “Nós fotografamos todas as mercadorias e fizemos bastante divulgação da promoção pelas redes sociais”, acrescenta Maria Angélica. E o resultado foi extremamente positivo. “Fizemos as vendas crescerem em um período de crise”, comemora. “Aproveitamos as vantagens das redes sociais porque hoje o cliente gosta de ter as informações receber oproduto no conforto do lar”, explica.

          Com tanto talento para lidar e conquistar o cliente, a moça pretende fazer uma especialização em marketing nas redes sociais. Mas, primeiro ela vai concluir a faculdade de Administração na Unopar com a política de bolsas de estudo da Coopel (ela tem, no total, 50% de desconto nas mensalidades). “Sempre quis estudar, mas não tinha condições financeiras. Com a ajuda da Cooperativa estou realizando o meu sonho”. Maria Angélica está traçando um caminho para galgar cargos mais altos na empresa, lugar onde se sente em casa e valorizada. “Eu já conhecia a Coopel só de falar e, depois que vim trabalhar aqui, comprovei no dia a dia que a Cooperativa é muito respeitosa com funcionários e clientes”, frisa.
          Nas horas vagas a colaboradora gosta muito de fazer aulas de forró (o momento de lazer está interrompido por conta da crise sanitária), jogar cartas, visitar os amigos e assistir filmes no conforto de casa. Discreta sobre a vida pessoal, ela só revelou que namora o Diego Antônio, de Paraopeba, há um ano e seis meses. Para o futuro os planos são muitos: “Quero me formar, ter uma família, estudar marketing e me especializar em redes sociais”, finaliza.