TRABALHE CONOSCO

Preservando Tradições

Amador Francisco Gomes, 72 anos

postado em 14 / 8 / 2020

Uma propriedade sustentada pela paixão pela vida na roça que atravessa gerações. É assim que podemos definir a família Gomes, que administra a Fazenda da Barra, em Martinho Campos. A dedicação e o cuidado com todos os detalhes da produção estão personificadas em Amador Francisco Gomes, 72 anos. Um homem que cultiva os seus  valores na roça e não abre mão da vida no campo. “A roça é muito boa”, atesta. “Vivi a vida inteira na roça. Se eu largar essa roça e ir para a cidade, morro num instante”.

 

Amador nasceu em Bom Despacho e vive em Martinho Campos há 40 anos. Junto com Francisca Maria da Costa Gomes, sua esposa, ele construiu uma família muito unida. São três filhos: Francisco Guilhermino Costa Gomes, Márcio Antônio Costa Gomes e Florcene de Lurdes Costa Gomes. Ele ainda é avô de Francisco e Maria Fernanda.


Um de seus filhos, Márcio Antônio Costa Gomes, 37 anos, contou para nossa reportagem como a Coopel tem ajudado no desenvolvimento da propriedade. “Minha mãe recebeu a fazenda de herança há 22 anos. Naquela época entregávamos 17 litros de leite para a Itambé em Martinho Campos todos os dias”, relembra. “Hoje, com a ajuda da Coopel, produzimos 700 litros por dia”, contabiliza.


Para manter essa marca a equipe da fazenda precisa sair da cama muito cedo. “Acordamos às 5h30 da manhã e tem dia que trabalhamos até às 19h30 na ordenha das vacas”, conta Márcio. A propriedade conta com 65 vacas paridas e tem passado por um processo contínuo de modernização com a ajuda da Coopel. “Faço o trato na charrete com cavalo. Já compramos o trator, mas ainda não temos todos os implementos”, explica o jovem fazendeiro. Há dois anos Márcio é associado. Seu pai está com a Coopel há 11 anos.


A parceria com a Coopel tem rendido boas evoluções na estrutura da fazenda e na qualidade da produção. “Nós parcelamos a compra de insumos e das sementes de plantio, por exemexemplo, é já melhoramos a propriedade, vimos  o aumento de produção.

 

Agora os fazendeiros estão investindo no melhoramento genético. “Comprei três tourinhos e começamos a inseminar. Todos os produtos para melhorar a genética do rebanho são da Coopel”, pontua. Márcio também acredita que a dedicação dos técnicos da Coopel é um grande diferencial. “Sempre somos muito bem atendidos pelos técnicos”, conta. Ele cita a proximidade com o Léo do Joca, engenheiro agrônomo por exemplo.


“A Coopel nos ajuda com o atendimento veterinário e também faço parte da Educampo, com o André, que nos dá assistência todo mês e nos ajuda nos protocolos do que temos de fazer com o gado”.

 

Os principais insumos comprados pelos fazendeiros na Coopel são as rações, milho integral moído, sorgo integral moído, farelo de soja, polpa cítrica, caroço de algodão, suplementação mineral, e outros. “O Geraldo agrônomo nos ajuda nesse planejamento. Plantamos uma lavoura de 9/ ha de milho para produção de silagem, superando nossa expectativa graças a prestação de serviço da Coopel” Divergindo da maioria dos jovens, Márcio faz questão de preservar as tradições da roça. “A juventude costuma ir para a cidade grande. Eu gostaria que eles conhecessem e vivessem a vida no campo, a produção de alimentos”, prega. “Eu como, visto e bebo leite. Não consigo imaginar a
minha vida sem o leite”, declara.


veja também

REALIZANDO UM SONHO

15 de Abril 2021

          Já se passaram 19 anos da chegada de Eurico Lacerda Neto, 52 anos, à Coopel. “Comecei na carreta 1630, depois passei para o caminhão 1935 e hoje estou no bitrem, veículo da frota renovada pela empresa”, enumera o pompeano. 
            Eurico considera a Coopel um patrimônio de inestimável valor para a cidade por moColaborador Eurico Lacerda Neto, 52 anos vimentar a economia e construir uma boa reputação que ultrapassa os limites de Pompéu. “A Coopel é uma entidade que traz grandes lucros, investe no conhecimento e apoia a sociedade pompeana com suas atividades diversas”, registra. Por isso, Eurico afirma sem reservas que a Coopel é a melhor instituição para trabalhar e para se associar. “Indico para ser cliente e funcionário”, diz. “Em 55 anos de história tivemos vários gestores preocupados em gerar oportunidades para quem deseja fazer parte da nossa família”, afirma.
         Dedicado ao trabalho, Eurico possui uma rotina de trabalho organizada, mas que demanda muita energia e disciplina. “Nossos supervisores nos passam as viagens e nós cumprimos os roteiros fazendo as viagens para o interior de São Paulo e também por Minas Gerais”, explica o colaborador. “Além disso, temos um novo sistema de logística, o soft log, que faz o acompanhamento digital de todo o itinerário”, acrescenta.
           Eurico frisa que a empresa se preocupa com o bem estar de seus motoristas garantindo as paradas obrigatórias REALIZANDO UM SONHO de descanso que são muito importantes para a saúde dos motoristas e para a
qualidade e segurança das viagens. “A cada cinco horas temos 30 minutos de descanso”, afirma.
           “Adquiri conhecimento, estruturei minha vida profissional e pessoal. Foi um apoio mútuo com a empresa que me deu muitas oportunidades. Só tenho a agradecer! A Coopel sempre foi capaz de superar todas as crises sem deixar de dar suporte aos cooperados e incentivar os colaboradores. Desejo mais prosperidade à Cooperativa e que nossos gestores continuem criando cada vez mais oportunidades!”
         Eurico é casado com Darlene Silva de Oliveira e tem dois filhos: Eurico Lacerda Júnior e Tiago de Oliveira Lacerda.
 

Laços de Sangue e Terra

15 de Abril 2021

          A fazenda Mato Grosso, de 26 hectares é o resultado do esforço e da paixão pela vida no campo do produtor João Geraldo da Costa, 59 anos. Ele cuida do espaço ao lado da esposa, Mirléia Aparecida Lúcia da Costa, 55 anos, e dos filhos, Geraldo Roberto da Costa e João Vitor da Costa. Além dessa propriedade, o produtor possui uma segunda fazenda em Cachoeirinha, na qual foi criado e no momento a utilizam para cuidar das vacas solteiras e como um refúgio para a família
           Os trabalhos na fazenda Mato Grosso, geram uma produção diária de 800 litros com 59 vacas em lactação. “Eu trabalho nessa vida desde menino, levanto as 4h30 da manhã e vou até a noite todos os dias”, Aponta José Geraldo. A informação é confirmada por Mirléia que acompanha de perto a rotina do marido nas primeiras horas do dia durante a ordenha. “Tiro leite até às 5h30 da manhã e retorno para cuidar da casa, preparar as refeições e também para assistir a minha novela”. “E, em alguns dias, também temos que lidar com imprevistos que fazem parte do trabalho na fazenda”, acrescenta a Mirléia.
          O casal dá conta de todas as atividades na maior parte do tempo, mas, contam com a ajuda dos filhos nos finais de semana. Geraldo é engenheiro agrônomo e é colaborador da Coopel. João Vitor é engenheiro civil e presta serviço no setor de irrigação. Ambos nunca deixaram de estar presentes na fazenda e auxiliarem os pais. “Eles sempre estão conosco quando podem, e, nos momentos de emergência, contamos muito com nossos amigos e vizinhos”, acrescenta Mirléia.
           A relação com a Coopel é de longa data e gera ganhos importantes na produtividade da fazenda. “Compramos tudo na Cooperativa, desde os remédios até o volumoso”, relata o fazendeiro. Outra grande ajuda vem do suporte técnico. “Temos a assistência técnica com o suporte do veterinário (Guilherme) e o Geraldo na parte de adubação
e piquetes. Com esses profissionais ficamos mais informados”, reconhece o produtor.
            Além disso, José firmou contrato com a Cooperativa, o que contribui para a saúde das finanças e aumento
da produtividade. “A Adriana faz a dieta para os animais e isso deixa claro com o que e o quanto podemos gastar”, explica.
            Em breve o produtor pretende utilizar o sistema de irrigação em suas terras, em especial, na silagem para aumentar a eficiência da propriedade, além de ter realizados investimentos recentes. “Também comprei um trator, mas ainda não o recebi e também fizemos investimentos em energia solar”, completa. Para o futuro os planos são ambiciosos: “Meu plano é melhorar o gado e aumentar o leite”.
 

REALIZANDO UM SONHO

15 de Março 2021

          A colaboradora Letícia Menezes de Lacerda, 22 anos, desde criança nutria o sonho de trabalhar na Coopel. Natural de Silva Campos, a colaboradora da Insumos II costumava acompanhar os avós em viagens à Pompéu e frequentava o supermercado e o posto de gasolina da Cooperativa. “Sempre tive vontade de trabalhar aqui na Coopel. Fui contratada em outros lugares, mas, sempre almejando trabalhar aqui”, frisa. E continua: “Quem me conhece sabe que eu sempre falava: ‘Eu vou trabalhar na Coopel ‘. E faz dois anos que estou aqui”, comemora.
            Prestes a se formar como administradora de empresas, a colaboradora esclarece que a Coopel é uma empresa que alimenta suas ambições com incentivos aos estudos. “Eu tenho um plano de carreira aqui e a Coopel presta um suporte financeiro e moral. Não adianta ter o incentivo financeiro se o colaborador não se sente motivado. Os líderes e diretores sempre nos incentivam a estudar, a produzir e a participar de cursos e treinamentos... Tudo isso é importante pra o plano de carreira na empresa”, coloca a funcionária que pretende fazer um MBA em gestão de produção com o convênio acadêmico ofertado pela Cooperativa. “É uma área que estou trabalhando aqui e gostando muito”.
           A profissional crê que a Coopel visa o melhor custo benefício para os associados e uma boa qualidade de vida para os funcionários. “É diferente das outras empresas! Por isso que é bom estar aqui e sentir a Coopel e o cooperativismo. Se a Coopel está investindo no nosso crescimento, ela cresce junto conosco”, conclui.
          Letícia desempenha funções ligadas à área de logística. “Faço a coordenação de cargas, entregas (ao lado do colaborador Felipe), produção e também a parte de pós-venda em Letícia Menezes de Lacerda, 22 anos parceria com a colaboradora Paula”, esclarece. “Minha função é importante para que tudo chegue certo ao produtor. Faço o acompanhamento desde a hora que o pedido chega à Insu os II até a entrega para o produtor.”, explica.
          Dois anos de Coopel já lhe renderam muitos aprendizados.. “Amadureci muito. Foram dois anos muito produtivos
para almejar e aprender coisas novas para a vida na empresa e fora dela”. E ela não esconde o orgulho de fazer parte da família Coopel. “A Cooperativa é referência. Todo mundo tem vontade de trabalhar aqui e eles não estão errados! A Cooperativa nos dá suporte e uma qualidade de vida muito boa! Temos muitos benefícios aqui. Todo mundo que chega de fora recebe como referência a Coopel”, afirma.
       Muito comunicativa, Letícia aproveita os momentos de folga com atividades diversas. “Nas horas vagas vou à fazenda visitar minha família e gosto de uma cervejinha! Malho, estudo, cuido dos meus cachorros e, como moro sozinha, também cuido das atividades domésticas”, enumera

“A Coopel é meu suporte. Saio de casa super animada para fazer o meu melhor e tenho sempre os meus colegas de trabalho para me auxiliar nos dias bons e ruins. Nos ajudamos, brincamos e conversamos sério... Somos um time!”.

Avante, Letícia e avante Coopel!
A união faz a força, a força faz a Coopel e a Coopel faz o corporativismo!